O haicai é um pequeno poema com uma métrica de três versos, de 5-7-5 sí­labas, que surgiu no Japão no século 16. No século 20 disseminou-se por todo o mundo. Sua maior expressão é Matsuo Bashô (1644-1694), poeta japonês criador do mais famoso de todos os haicais: "velho lago / mergulha a rã / fragor d'água".

Em português aceita-se que a contagem de 17 sí­labas não seja seguida à risca, não devendo, no entanto, ultrapassar um máximo de 21 sílabas. Também não é necessário haver rima dos versos. O haicai deve ter um "kigô", ou seja, uma referência a uma estação do ano, elemento básico de sua ligação com a natureza. O haicai passa-se no presente, tem um olhar de cinema que mostra uma imagem e nos permite ver seu movimento, sem discurso opinativo do autor.

Nesta coletânea de meus haicais, misturo várias categorias deles, desde os que podem ser considerados verdadeiros haicais até outros tantos onde uso o formato para fugir a sua verdadeira essência. Assim, mesclam-se haicais com kigô e que navegam na natureza, haicais humorí­sticos ou satí­ricos, haicais românticos e eróticos. Sempre que possí­vel, procurei a métrica correta e usar rimas, mais como um jogo pessoal de mesclar o lúdico com a poesia.

022 MOINHOS

moinhos ao vento
Quixote e Dulcinéia
no pensamento